Arquétipos — Quais São e Como Influenciam Seu Posicionamento de Marca

Produtos mencionados
Dê personalidade para sua marca

As marcas capazes de se comunicar bem com o público-alvo e permanecer no inconsciente coletivo são aquelas que têm uma personalidade, missão e valores bem claros. Muitas delas, aplicam o conceito de arquétipo tão bem que criam tendências e geram grande impacto nas pessoas.

Neste artigo, vamos apresentar os tipos de arquétipos existentes e como você pode aplicá-los na sua marca!

O que são arquétipos de marca?

Um arquétipo é um conceito explorado em campos de psicologia, narratologia, filosofia e, claro, no marketing. O que vamos ver ao longo deste artigo são arquétipos explorados do ponto de vista do psicanalista Carl Jung, que em 1919 definiu que arquétipos podem ser vistos como personagens de histórias de ficção ou até mesmo que “moram” dentro de nós.

O arquétipo se resume a um conjunto de padrões de comportamento responsáveis por definir as características mais evidentes em alguém. O conceito é o que faz gerar conexão e identificação por outras pessoas, marcas e personagens fictícios.

Do ponto de vista do marketing, o arquétipo está diretamente ligado ao branding, (estratégias alinhadas aos valores e como a marca se posiciona no mercado).

Quais são os 12 arquétipos de marca?

Se você ainda não conhece os “personagens” que pode aplicar na sua marca, vamos apresentá-los a seguir.

  • inocente: possui uma atitude positiva, simples, bondosa e pura em relação a tudo. Uma marca que representa bem o inocente é a Dove;
  • explorador: desbrava o mundo e preza pela liberdade, modernidade e novas descobertas. Como exemplo a Heineken explora muito bem o conceito;
  • sábio: vive em busca de conhecimento, tem opiniões baseadas em estudos e está em constante busca de evolução. O Google transmite muito bem esse arquétipo;
  • fora da lei: é o rebelde que quebra regras e padrões, por isso acaba oferecendo soluções fora da caixa para problemas. A Apple, por exemplo, é a típica marca fora da lei;
  • mago: esse arquétipo se relaciona a transformações, mistérios, coragem e criatividade. Uma marca de exemplo é a Mastercard;
  • herói: está sempre pronto para mudar o mundo e por isso é cheio de coragem e dedicação. De marcas heroínas existe a Nike e Vanish, por exemplo;
  • cuidador: tem uma personalidade carinhosa e bondosa e sempre se volta para ajudar pessoas, por isso é altruísta e generosa. A Nestlé representa esse arquétipo;
  • criador: criatividade, transformação e invenção são palavras-chave para esse arquétipo. Uma marca que transparece a personalidade de criador é a LEGO;
  • governante: carismático e persuasivo, tem o discurso que transparece uma ideia e sempre focado em um propósito. Além disso, é elegante e foca sempre na prosperidade como exemplo temos a Mercedes-Benz;
  • amante: ousadia, sensualidade e comprometimento são as características da marca amante, como a própria Calvin Klein;
  • bobo da corte: ele é divertido, tem bom humor e é cativante. No entanto, sua leveza pode acabar criando confusão. M&Ms é um ótimo exemplo;
  • cara comum: não se destaca na multidão e nem pretende. Seu objetivo é se comunicar de forma simples, sempre de igual para igual, por exemplo, a Havaianas.

Como a escolha de arquétipos influenciam o posicionamento de sua marca no mercado

O uso de arquétipos por uma marca é bem importante para fazer com que as pessoas se conectem com ela. Além disso, ele serve para dar personalidade e, assim, fazer com que a marca se comunique de uma forma mais clara e humanizada com o público-alvo.

E quais as vantagens de aplicar os arquétipos na construção da sua marca? Despertar gatilhos nas pessoas e fazer com que elas absorvam a mensagem que deseja passar. Além disso, outro benefício é mostrar os valores e essência da marca de um jeito bem melhor.

A marca que representa um personagem poderá:

  • se posicionar melhor no mercado;
  • conectar-se emocionalmente com o público-alvo;
  • aumentar o número de clientes de forma orgânica;
  • motivar as pessoas a comprarem seu produto;
  • e muito mais!

arquétipo para marca

Como escolher o melhor arquétipo para sua marca

A escolha do arquétipo para sua marca deve ser feita com muito cuidado. É preciso que ele esteja alinhado com seu público-alvo e, claro, sua missão e valores. Isso porque no momento em que as pessoas entrarem em contato com a marca, inconscientemente ele vai reconhecer seu arquétipo e, imediatamente, se identificar com ele ou não.

Se essa identificação não acontecer, pode ser que a escolha para a personalidade da sua marca precise ser repensada. Afinal os arquétipos são poderosos para aplicar técnicas de persuasão e induzir vendas.

No momento da definição de arquétipo, procure ter claro os seguintes pontos:

  • quem é exatamente seu público-alvo;
  • qual é a missão da sua marca;
  • quais valores tem sua marca;
  • se os seu produto, ou serviço, está alinhado com o personagem que está considerando;
  • qual arquétipo pode persuadir mais a sua persona;

Veja como criar uma persona para seu negócio neste artigo!

  • se sua marca fosse um personagem de um certo arquétipo, ela e seu cliente seriam amigos?

Bônus! Dicas importantes

Agora que você já entendeu melhor o que é um arquétipo e como ele é importante para o desempenho da sua marca, separamos algumas dicas que vão te ajudar ainda mais:

  • sua marca pode ter vários arquétipos: assim como qualquer pessoa, ninguém se resume a um arquétipo em todos os momentos da vida. Por isso, indicamos que você escolha um arquétipo principal e outros secundários;
  • o arquétipo não pode limitar sua marca: o objetivo da escolha do arquétipo e guiar a marca na criação de estratégias de comunicação e persuasão, por isso, se você vê essa definição como limitação, pode ser a hora de rever o método de aplicação.

Se este artigo foi útil para você e seu negócio, que tal continuar navegando pelo blog da GoDaddy? Temos conteúdos exclusivos para que você crie, desenvolva e faça sua empresa deslanchar.

Imagem de: pixabay.com;

Jornalista apaixonada por literatura, música e cinema. É Analista de Conteúdo na Agência Mestre e, antes disso, foi produtora editorial, assessora de imprensa e teve vários blogs ao longo do caminho. A escrita é sua paixão e acredita que a comunicação pode mover barreiras.