Banco de Dados: Descubra O Que São e Quais Existem

Produtos mencionados
Escolha a melhor opção!

Você sabia que a maioria das informações importantes sobre a sua vida estão guardadas e espalhadas por diversos tipos de banco de dados?

Nosso dia a dia é regido pela troca e registro de informações. As suas aplicações no banco, o número do seu CPF, o que você posta nas redes sociais, tudo isso fica guardado em algum lugar.

Esses dados podem ser utilizados de diversas formas, inclusive de modo que beneficie a sua marca, por isso, é preciso conhecer as alternativas existentes para manter essas informações de forma otimizada e segura.

Continue lendo o artigo para entender mais sobre essa tecnologia! Você irá aprender:

  • o que é um banco de dados?
  • por que o serviço de banco de dados é importante para lojas online?
  • categorias de banco de dados;
  • exemplos de bancos de dados mais utilizados;
  • desafios para o futuro.

O que é um banco de dados?

A ideia de um banco de dados não é nada moderna, afinal, não passa de um apanhado de informações sobre um determinado assunto. Os seus cadernos de escola ou planilhas que faz no trabalho podem entrar neste conceito.

Desde a criação da humanidade, a troca de informações é essencial para o desenvolvimento das sociedades. 

Nos primórdios, as mensagens eram registradas em pinturas rupestres. Muito mais tarde, a comunicação passou a ser feita por meio de papéis, mas isso ainda não era o suficiente para guardar dados de forma eficiente. 

Já a partir da década de 1960, começaram a ser criados os primeiros sistemas computacionais. Em 1970, a IBM desenvolveu a SQL, uma linguagem de programação usada em muitos dos principais bancos de dados atuais.

Essa área evoluiu bastante e, hoje em dia, o armazenamento de dados pode ser feito de forma mais ágil e eficiente. Dois grandes exemplos de tipos de armazenamento de dados da atualidade são o autônomo e o de nuvem.  

No sentido tecnológico do tema, esses bancos são uma coleção de informações do mundo real guardadas em meios virtuais. A estrutura é baseada, geralmente, em linhas e colunas para que todos os dados possam ser interpretados, organizados, gerenciados, modificados e atualizados. 

Para isso ser possível, é preciso encontrar uma forma de administrar esses dados. É isso que faz um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados, também conhecido por sua sigla, SGBD.

Esse software é um intermediário entre o banco e o usuário, e deve responder aos comandos para manipular, alterar ou recuperar uma informação. Contar com um SGBD é importante em diversos contextos, especialmente, para quem tem um e-commerce.

Por que o serviço de banco de dados é importante para lojas online?

Imagine que você precise abrir uma loja on-line (e-commerce). Uma das providências é buscar um serviço de bancos de dados para que ele faça os seguintes passos: 

  • registro e relação entre produtos, categorias e departamentos;
  • limitação para que somente clientes cadastrados possam comprar produtos;
  • criação de carrinho de compras;
  • coleta, administração e armazenamento de dados dos clientes, etc.  

Os dados dos clientes também podem te auxiliar na busca por mais visitas e conversões em sua página on-line. 

No mundo dos negócios, existe um termo chamado marketing por dados. Isso significa interpretar e explorar as informações do seu público para a criação de estratégias mais assertivas. 

As melhorias podem ser direcionadas, por exemplo, tanto para atrair mais pessoas para o seu site quanto para garantir uma ótima experiência de navegação, o que está atrelado a importância do UX — user experience

Vamos supor que a sua loja on-line esteja com uma taxa de conversões negativa. Uma maneira de entender e resolver isso é gravando todas as ações de compra dos clientes dentro do e-commerce. Para isso, você pode utilizar ferramentas como Hotjar ou MouseFlow. 

Na gravação, você consegue entender se os números insatisfatórios são por conta de problemas técnicos do seu site, se é por falta de conteúdos mais atrativos ou se, de repente, é porque a operadora do cartão de crédito do cliente está com problema. 

Mas, para tudo isso, é claro que você vai precisar não só entender perfeitamente o que é banco de dados, como funciona, mas também contratar um serviço de armazenamento eficiente.

Categorias de banco de dados

Há duas formas com as quais os bancos de dados podem organizar as informações: relacional e não relacional. Cada uma tem uma aplicação ideal, confira:

Relacionais

Caracterizado por organizar informações em tabelas e depender da integração entre colunas e linhas.

Assim, algum tipo de dado fica na coluna, e a descrição das informações fica contida nas linhas. É ideal para utilizar quando precisa-se armazenar informações tabulares de pouca complexidade, e que precisam ser recuperadas agilmente.

Essa é a forma de armazenamento mais utilizada, pois oferece alta confiabilidade. Porém, é necessária uma estrutura de relacionamento entre tabelas para que as informações possam ser recuperadas.

A linguagem usada para manipular essas informações é o SQL (Structured Query Language).

Não relacionais

O formato não relacional atende uma parcela de dados que não podem ser inseridos e acessados através de tabela, como imagens. É muito valorizado pela sua alta performance e por manter todos os registros em um único lugar.

Portanto, não é necessário criar um sistema de relacionamento entre informações, como os bancos de dados relacionais. Como as informações não estão associadas entre si, é mais fácil fazer alterações e exclusões no conteúdo. A linguagem utilizada é o NoSQL (Not Only SQL).

Exemplos de bancos de dados mais utilizados

Na hora de escolher a opção para sua empresa e para armazenar dados do cliente é necessário identificar para que ele será utilizado. Conheça os principais tipos de banco de dados do mercado:

Oracle

Foi lançado em 1980 e consiste em um banco de dados relacional. É uma das opções mais utilizadas no mercado, e tem como característica principal suas múltiplas funcionalidades. 

Pode ser instalado em diversos sistemas de operação e tem alta escalabilidade, ou seja, aumenta sua capacidade à medida que cresce a demanda.

SQL Server

Criado pela Microsoft no final da década de 80, utiliza a linguagem T-SQL. Possui diversas ferramentas úteis de integração com os pacotes de programas da empresa, como o Excel, e conta com uma plataforma com recursos de alta velocidade para atualização de informações.

Trabalha com dados criptografados para garantir a segurança, por isso, é comum seu uso em meios corporativos e governamentais.

MySQL

O MySQL é um dos tipos de banco de dados no modelo relacional que trabalha de forma open source, ou seja, com o código aberto para a modificação de programadores. Pertence à Oracle e sua praticidade ganhou adeptos de empresas como Google e Facebook, que utilizam esse banco para uso em aplicações on-line.

DB2

Criado pela empresa IBM, se caracteriza por ser econômico e, ao mesmo tempo, lida com quantidades robustas de informação. Pode ser utilizado em várias plataformas, inclusive o da própria empresa que o criou. Possui confiabilidade e rapidez, mesmo lidando com uma base grande de dados.

Desafios para o futuro

Quando o assunto é tratamento de dados, precisamos falar também sobre a responsabilidade que é manter essas informações seguras, o que implica em desafios para o futuro. 

Em 2020, entrou em vigor a nova Lei de Proteção de Dados (LGPD), sancionada em 2018 pelo então presidente Michel Temer. 

As novas regras foram pensadas para evitar o uso indevido de dados pessoais. Com isso, as empresas deverão fazer a gestão de dados com mais transparência, consentimento e direito de exclusão das informações consideradas sensíveis, caso os clientes assim desejem. 

Os dados considerados vulneráveis são sobre: 

  • saúde;
  • religião;
  • vida sexual;
  • orientação política;
  • caráter filosófico;
  • dados genéticos;
  • biométricos;
  • origem racial ou étnica.

Para se adaptarem às novas normas, as empresas podem, primeiramente, fazer uma análise de pontos vulneráveis no armazenamento de dados. Em seguida, elaborar um plano para o gerenciamento de crises. 

Para isso, consulte o seu profissional ou toda a sua área de T.I e entenda com eles como é possível aperfeiçoar as ações. 

Agora que você conhece melhor o conceito e os tipos de banco de dados, fica muito mais fácil tomar decisões assertivas para seu negócio, não é mesmo? Mas é importante que a sua empresa sempre cumpra a legislação vigente. Leia também o artigo sobre política de privacidade e descubra como ter um site aderente à LGPD!

Daniele Souza
Daniele Souza é jornalista por formação e curiosa por natureza. Atua como Analista de Conteúdo na Agência Mestre, onde trabalha com o que mais gosta de fazer— a escrita — para ajudar pessoas e negócios. Tem sede de aprender sobre tudo, principalmente marketing digital, design, línguas e história. Aprecia as pequenas coisas, como uma boa conversa com amigos e tempo com a família. Sempre foi fissurada por leitura e ama o gênero de não-ficção. Você pode se conectar com Daniele no LinkedIn.